Mulher que levaria maconha para presídio é presa na Operação Conexão em Corupá
16/05/2018 07:10 em Polícia

Mulher que levaria maconha para presídio é presa na Operação Conexão em Corupá

Agentes da Divisão de Investigação Criminal (DIC), sob o comando do delegado Daniel Dias, realizaram o cumprimento de um mandado de prisão e outro de busca e apreensão em Corupá.

A ação fez parte da Operação Conexão, deflagrada pela Divisão de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) nesta terça-feira (15), em dez municípios. Em Corupá, os policiais civis prenderam duas mulheres, de 42 e 18 anos, na ação realizada no início da manhã.

De acordo com o delegado Daniel Dias, a mulher de 42 anos estava com o mandado de prisão em aberto por associação ao crime organizado. No local da abordagem, os agentes da polícia civil encontraram cerca de 50 gramas de maconha embalados em diversas unidades pequenas em absorventes femininos. A suspeita é de que a droga teria como destino o Presídio Regional de Jaraguá do Sul. O tráfico para a unidade prisional seria feito por meio das chamadas "mulas". A jovem de 18 anos assumiu a posse da droga e foi autuada por tráfico de entorpecentes.

Em Joinville, cinco pessoas foram detidas pelos 20 agentes que participaram da operação na maior cidade do Estado. As prisões feitas desde a manhã ocorreram nos bairros Vila Nova e Ulysses Guimarães. Três homens e duas mulheres detidos foram conduzidos até a Delegacia de Polícia de Joinville e devem ser transferidos para o Presídio Regional.

Ações foram realizadas em todo o Estado. Cerca de 230 policiais cumpriram 113 mandados expedidos pela Justiça, 70 mandados de prisão e 43 mandados de busca e apreensão, em dez municípios catarinenses - Florianópolis, Blumenau, Gaspar, Joinville, Lages, Palhoça, São José, Águas Mornas, Penha e Corupá. O trabalho dos agentes da Polícia Civil resultou na prisão de 55 criminosos, 25 pessoas que foram presas em suas residências e outras 30 que já estão no sistema prisional.

As pessoas que foram presas durante a operação estavam sendo investigadas desde 2017 por integrar uma organização criminosa. A ação foi resultado do monitoramento contínuo de facções criminosas. Coordenador da investigação, o titular da Draco, delegado Antônio Seixas Joca, destacou que o foco da operação foi nas cidades maiores, como Florianópolis, Joinville, Blumenau e Lages. Porém, os policiais civis identificaram pessoas que operacionalizavam o tráfico em pequenos municípios catarinenses e que tinham contatos, inclusive, com criminosos de outros Estados.

Fonte OCP News – Claudio Costa

COMENTÁRIOS