Servidores de Balneário Camboriú devem evitar camisas de futebol e minissaias, diz prefeitura
05/10/2017 06:20 em Política

Servidores de Balneário Camboriú devem evitar camisas de futebol e minissaias, diz prefeitura

Ofício com orientações foi entregue a secretários municipais. Secretaria diz que reclamações sobre roupas são constantes.

 

 

A Prefeitura de Balneário Camboriú, no Litoral Norte, enviou um ofício com orientações sobre as roupas que devem ser evitadas pelos servidores durante o horário de trabalho. Entre elas estão minissaias e camisas de futebol. A Secretaria de Gestão Administrativa afirmou que a ouvidoria da prefeitura recebe reclamações sobre roupas frequentemente, como mostrou o Jornal do Almoço desta quarta-feira (4).

O ofício foi entregue na terça (3), pouco antes do início de um curso de capacitação para melhorar o atendimento feito pelos servidores. Os secretários municipais receberam o documento e, agora, devem aplicar na equipe que gerenciam.

Orientações

Segundo o ofício, devem ser evitados pelas mulheres: shorts, minissaia, miniblusa, blusas com decote exagerado, transparência, blusas e vestidos sem alça, roupas íntimas aparentes e chinelos. Pelos homens: regatas, camisetas com logotipos ou marcas de equipes desportivas, shorts, chinelos, sandálias, bonés e chapéus. O ofício não prevê punição para quem não cumprir as orientações.

O documento foi assinado pela secretária de Gestão Administrativa, Karine Gomes. Entre as reclamações que a ouvidoria da prefeitura recebeu está a de uma pessoa que foi atendida na Secretaria da Fazenda. Ela reclamou do shorts "extremamente curto" usado por uma servidora.

"Nós estamos aqui todos, inclusive eu, para servir a sociedade, os munícipes. Então o maior objetivo é deixar os munícipes confortáveis, sendo atendidos de forma adequada", afirmou a secretária.

Outro argumento usado pela prefeitura é a visibilidade que Balneário Camboriú tem, por receber turistas de todo país e do exterior.

As regras não valem para quem trabalha ao ar livre, como os agentes de trânsito e os guardas municipais armados. Nesses casos, o boné e a bermuda fazem parte do uniforme fornecido pela prefeitura.

A especialista em gestão de pessoas Simone Bretzke disse que é comum esse tipo de orientação, dentro de empresas principalmente.

 

"A gente precisa focar produtividade, qualidade do trabalho. E se a gente vai trabalhar com uma roupa que não é adequada ao ambiente de trabalho, acaba tirando o foco, acaba se tornando motivo de conversa, inclusive de conversa entre terceiros. Então, acaba influenciando sim a relação entre as pessoas e o trabalho propriamente dito".

 

Mais Notícias:

Homem é assaltado em São Bento do Sul e abandonado em Corupá

 

 

Schroederfest 2017 começa nesta quinta-feira (5)

COMENTÁRIOS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE