Filhote de lobo-marinho-subantártico aparece em praia de Itapoá
01/09/2019 10:13 em Variedades

Tiago Eifler, de 34 anos, morador da cidade de Garuva em Santa Catarina, que foi vítima do acidente na BR 101 em Joinville, na última quinta-feira, (29), envolvendo dois caminhões de pequeno porte, não resistiu aos ferimentos e morreu na manhã deste sábado, (31), no Hospital Municipal São José.

Um cabo da polícia militar que passava no local no momento do acidente prestou os primeiros socorros a vitima

O acidente que e foi registrado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF),por volta das 15h50 no quilômetro 32 da rodovia, envolveu dois caminhões da marca Hyundai. De acordo com a PRF, o primeiro caminhão parou no meio da pista por falta de combustível. Após o choque, o caminhão que Tiago conduzia tombou na pista, ele ficou preso nas ferragens, sofreu múltiplas fraturas com hemorragia aguda. O outro motorista não ficou ferido.

Um cabo da polícia militar que passava no local no momento do acidente prestou os primeiros socorros a vitima. O helicóptero Arcanjo de Blumenau chegou a ser acionado para transportar a A equipe do PMP-BS/Univille monitorou durante quatro dias um jovem lobo-marinho-subantártico (Arctocephalus tropicalis) que apareceu na Barra do Saí em Itapoá, no dia 18/08. Após avaliação da equipe de veterinários, constatou-se um quadro de desidratação e desnutrição do animal.

Este animal não foi trazido à nossa Unidade de Estabilização de Animais Marinhos porque, segundo as recomendações do Comitê Científico para Pesquisas Antárticas (Scientific Comittee on Antarctic Research - SCAR), comitê que coordena os trabalhos de pesquisa científica na região da Antártica e atua na preservação deste bioma, esta espécie de lobo não pode ser retirada da praia, podendo ser apenas estabilizada e monitorada no local quando necessário.

De acordo com o SCAR, pinípedes antárticos e subantárticos (lobos-marinhos, focas e leões-marinhos) não podem retornar à natureza após passarem por centros de estabilização ou reabilitação, sob o risco de levarem doenças que podem contaminar e dizimar os integrantes da sua colônia reprodutiva ou outras espécies.

Sendo assim, nossa equipe decidiu por translocar o animal para a Praia Grande, em São Francisco do Sul, local de menor fluxo de pessoas, onde foi monitorado e atendido até o dia 21/08, quando foi encontrado em óbito pelos técnicos de campo.

Durante a necropsia, o veterinário Leonardo Drumond, constatou um processo infeccioso no sistema respiratório, que provocou um quadro de pneumonia severa, associado à um quadro infeccioso em diversos órgãos, tais como: rins e adrenais. Também constatou uma reação inflamatória ganglionar, sugerindo uma infecção generalizada. Secundariamente, foi detectada uma grande carga parasitária que pode ter contribuído para uma queda de imunidade do animal.

Arctocephalus tropicalis é a segunda espécie mais comum de lobo-marinho no litoral brasileiro. Existem vários registros nas praias do sul do Brasil. Desde 2015, o PMP-BS/Univille já registrou sete indivíduos desta espécie ao longo das praias do litoral norte-catarinense (São Francisco do Sul, Araquari, Barra do Sul e Itapoá).

É importante lembrar que os lobos-marinhos, assim como outros pinípedes, possuem o hábito de descansar nas praias e costões rochosos, podendo permanecer nestes locais por alguns dias, e depois, naturalmente, eles retornam para o mar.
Caso você encontre um lobo-marinho, siga as seguintes orientações:

- Primeiramente, ligue para a equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS)
- Mantenha os curiosos e os animais domésticos afastados;
- Mantenha distância mínima de 10 metros (a aproximação pode estressar ou assustar o animal e ele pode morder ou machucar alguém na tentativa de se defender);
- Nunca tente alimentá-lo (mesmo que o animal pareça debilitado);
- Não toque no animal (não se sabe o motivo do encalhe e o animal pode estar acometido por doenças contagiosas aos seres humanos);
- Nunca tente movê-lo (na tentativa, você pode machucar o animal ou a si próprio).

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. A Univille monitora o Trecho 5, compreendido entre Araquari e Itapoá. Ao avistar um animal marinho debilitado ou morto na praia, ligue: 0800 642 3341 / (47) 3471-3816 / (47) 99212-9218. Ajude-nos a conservar a fauna marinha!

Sua empresa em destaque, Informações só clicar aqui

Receba Notícias e Informações diretamente em seu celular: Só Clicar aqui

COMENTÁRIOS