São Francisco do Sul mantém suspensão das aulas e fará novas restrições
02/03/2021 06:18 em Geral

São Francisco do Sul mantém suspensão das aulas e fará novas restrições

 

Apesar da recomendação do MP e do protesto feito pelos pais cobrando a volta às aulas, município mantêm suspensão até 15 de março

Apesar da recomendação do Ministério Público e do protesto de pais cobrando a volta às aulas em São Francisco do Sul, o município decidiu por manter o decreto que suspendeu por 14 dias as aulas a fim de conter o avanço da Covid-19.

A resposta ao Ministério Público foi encaminhada na tarde desta segunda-feira (1) pela Procuradoria Geral do Município. No documento, assinado pelo prefeito Godofredo Gomes Moreira Filho, o município justifica a manutenção do decreto alegando precariedade de leitos disponíveis na cidade e na região e “preservação da vida dos nossos munícipes.”

O decreto publicado na última semana suspendendo as aulas abrange tanto a rede municipal quanto estadual e federal, em todos os níveis de ensino. Aulas em escolas de idiomas e cursos livres também estão suspensas.

Na sexta-feira (26), mesmo dia em que o decreto foi publicado, o MP expediu uma recomendação para que a cidade não suspendesse as aulas haja vista que a educação é uma atividade essencial.

Segundo a promotoria de Justiça, não se pode admitir que as escolas estejam fechadas enquanto outras atividades, como comércios e bares, funcionam normalmente.

No entanto, a Prefeitura respondeu que um novo decreto será publicado, ainda nesta segunda-feira, restringindo as atividades não essenciais. Haverá limitação de lotação nos estabelecimentos comerciais.

Buzinaço

Na manhã desta segunda-feira (1), pais de alunos fizeram um buzinaço em frente à prefeitura e ruas do centro de São Francisco do Sul. O protesto foi para cobrar a revogação do decreto e o retorno às aulas.

Em Barra Velha, no Litoral Norte, outro município que decretou a suspensão das aulas até dia 15 de março, apenas as escolas particulares estão liberadas, desde que respeitem a ocupação de 50% da capacidade máxima.

 

Nas duas cidades, durante a suspensão, as aulas devem funcionar de forma online.

COMENTÁRIOS